home > notícias

MUNDO

09/06/2012

Investigadores portugueses criam outdoors biodegradáveis

Investigadores das universidades do Minho e Fernando Pessoa (UFP) desenvolveram outdoors biodegradáveis, feitos à base de fibras de soja, milho e bambu, um projeto pioneiro que visa a proteção ambiental.


O projeto está a ser alvo de patente e conta com apoio de empresas nacionais e internacionais. Segundo os investigadores, esta inovação surge 24 anos após a Lei 97/88, que proíbe o uso de materiais não biodegradáveis para publicidade, "mas que, na verdade, não está a ser cumprida. Espero sinceramente que os anunciantes deixem de usar materiais com propriedades tóxicas e que são prejudiciais à saúde", refere Jorge Neves, docente do Departamento de Engenharia Têxtil da UMinho.
 
O professor considera que os novos outdoors biodegradáveis poderão ter um custo "semelhante" ao dos suportes convencionais, que utilizam poliéster laminado ou revestido a resina de PVC (policloreto de vinilo).
 
"A União Europeia restringiu muito o uso do PVC, face aos danos causados no sistema imunitário, reprodutivo e endócrino", realçou Fernanda Viana, doutorada em Engenharia Têxtil na UMinho e docente da UFP.
 
A engenheira publicitária confia na aceitação desta inovação, mas lembra que, face à situação económica atual, "o anunciante tende a optar pelo baixo custo, mesmo que acarrete consequências ambientais e legais".
 
Os primeiros cartazes ecológicos deverão ser afixados "em breve", estando igualmente prevista para dentro de pouco tempo a produção do material em série.

Fonte: Portugal Global



NOTÍCIAS RELACIONADAS
17/02/2020
Grupo de Coimbra regressa para editar álbum de música de Carlos Paredes
17/02/2020
Resgatar a memória imaterial que se perde pela foz do Minho
17/02/2020
Museu do Carnaval da Graciosa divulga tradição da ilha açoriana
17/02/2020
Por dentro da exposição sobre o Egito no CCBB
17/02/2020
Festival Gastronómico da Chanfana visa reforçar procura turística em Lousã
17/02/2020
Casa Fiat de Cultura anuncia exposição de Sandro Botticelli