home > notícias

MUNDO

12/06/2018

Obra gráfica de Vieira da Silva exposta em museu de Badajoz

Uma exposição sobre a obra gráfica de Maria Helena Vieira da Silva (1908-1992), que abrange três décadas da sua produção, abre hoje ao público, no Museu Extremeño e Iberoamericano de Arte Contemprâneo (MEIAC), em Badajoz, Espanha.

Com curadoria de Marina Bairrão Ruivo e Sandra Santos, a exposição intitula-se "Maria Helena Vieira da Silva. Obra gráfica - L' Inclémence Lointaine de René Char", e resulta de uma colaboração do museu espanhol com a Fundação Arpad Szenes/Vieira da Silva.

A inauguração acontece na véspera da passagem dos 110 anos sobre a data de nascimento da pintora, em Lisboa.

Até 16 de setembro, a exposição apresenta uma seleção da extensa obra gráfica criada "por aquela que foi uma das artistas portuguesas mais importantes e de maior projeção internacional do seu tempo", segundo um texto do museu, colocado no seu sítio 'online'.

"María Helena Vieira da Silva, nascida na primeira década do século XX, deixou o seu nome junto aos mais importantes criadores da Escola de Paris, nos anos do pós-guerra na Europa", acrescenta.

As gravuras, segundo o MEIAC, "têm um significado próprio no conjunto da obra plástica de Maria Helena Vieira da Silva, que não perturba o seu desenvolvimento ou modifica o seu sentido, mas, antes pelo contrário, prolonga e amplia o alcance da totalidade das 25 peças gravadas a buril que fez para 'L'Inclémence lointaine' (1961), do poeta francês René Char".

Junto a estas gravuras pode ver-se igualmente uma ampla seleção de outras que dão conta da diversidade de recursos técnicos e expressivos patentes na extensa obra gráfica da artista: peças realizadas em buril, água-tinta, serigrafias, litografias.

As peças cobram um período de cerca de 30 anos e testemunham "a diversidade temática e plástica, a plena maturidade da artista, que se torna inconfundível".

Criada ainda em vida de Maria Helena Vieira da Silva, uma das mais importantes pintoras portuguesas, e instituída por decreto-lei em 10 de maio de 1990, a Fundação Arpad Szenes -- Vieira da Silva tem como missão garantir a existência de um espaço, em Portugal, onde o público possa contactar permanentemente com a obra de Vieira da Silva e do seu marido, o pintor Arpad Szenes.

Na quarta-feira, na celebração dos 110 anos do nascimento da pintora, e o museu vai festejar a data, com visitas guiadas, ateliers, cinema e uma feira do livro.

Fonte: Notícias ao Minuto



NOTÍCIAS RELACIONADAS
10/10/2018
Portugal tem uma Oliveira com 3350 anos
09/10/2018
Nos 87 candidatos ao Óscar para melhor filme estrangeiro, há um português
09/10/2018
Açores: Primeiro de 16 volumes da obra de Vitorino Nemésio quase a chegar
09/10/2018
Portugal é o país convidado na Feira do Livro de Guadalajara no México
09/10/2018
Foi na página 20 de 'Levantado do Chão' que Saramago encontrou a sua voz
09/10/2018
"Há um antes e um pós festivais literários em Portugal"