home > notícias

MUNDO

06/02/2019

Museu de Arte Antiga exibe pintura de Maria Madalena de Ticiano

A pintura 'Maria Madalena Penitente', de Ticiano (1488-1576), vai ser exibida a partir de hoje no Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), em Lisboa, proveniente do Museu Hermitage, em São Petersburgo, na Rússia.

De acordo com o museu, a pintura vai ser exibida no âmbito do ciclo 'Obra Convidada', que recebe obras cedidas por outras instituições, e será inaugurada numa sessão marcada para as 18h00.

O tema de Madalena Penitente foi tratado pelo pintor Ticiano em várias versões, e depois popularizado através da gravura.

Esta tela do Hermitage de São Petersburgo, considerada pelos especialistas a melhor de todas - pela expressão trágica da santa e do ambiente que a envolve - foi mantida pelo pintor até à morte, e depois vendida pelo filho ao colecionador veneziano Cristoforo Barbarigo.

Ticiano foi um dos maiores expoentes da pintura italiana do século XVI, tendo sido promovido a pintor da República de Veneza, recorda o MNAA no seu sítio 'online'.

O artista ficou conhecido por ter criado, com os seus retratos, um modelo de representação de prestígio, e foi igualmente exímio nas evocações mitológicas e na pintura religiosa.

Criado em 1884, o MNAA acolhe a mais relevante coleção pública de arte antiga do país, em pintura, escultura, artes decorativas portuguesas, europeias e da Expansão Marítima Portuguesa, desde a Idade Média até ao século XIX.

É um dos museus nacionais com maior número de obras classificadas como tesouros nacionais.

Fonte: Notícias ao Minuto



NOTÍCIAS RELACIONADAS
21/08/2019
Espetáculos, concertos e leituras de entrada livre no Teatro D. Maria II
21/08/2019
Évora reúne 20 músicos nacionais e estrangeiros em festival internacional
21/08/2019
'Bacurau' e 'Vida Invisível' disputam representar o Brasil no Oscar
20/08/2019
Curso gratuito de cinema arranca em outubro com António-Pedro Vasconcelos
20/08/2019
DGPC aprova projeto do Mercado Time Out Porto
20/08/2019
Número de brasileiros com estatuto de igualdade quase duplica por causa do ensino superior