home > notícias

MUNDO

06/02/2019

Poeta e ensaísta Manuel Gusmão recebe hoje Medalha de Mérito Cultural

O poeta e ensaísta Manuel Gusmão recebe hoje na biblioteca do Palácio Nacional da Ajuda, em Lisboa, a Medalha de Mérito Cultural, e dá a conhecer um poema inédito.

A Medalha de Mérito Cultural é entregue ao poeta como reconhecimento do Governo português pelo "inestimável trabalho de uma vida dedicada à produção literária e à poesia, difundindo amplamente, em Portugal e no estrangeiro, a Língua e a Cultura portuguesas, ao longo de mais de cinquenta anos", lê-se na nota do Ministério da Cultura divulgada em janeiro.

A medalha é entregue pela ministra da Cultura, Graça Fonseca, numa cerimónia que abre com a leitura do poema 'Poesia e Resistência"' do livro 'A Foz em Delta', de Manuel Gusmão, pela atriz Fernanda Lapa.

A filha do poeta, Ana Gusmão, irá ler um poema inédito do pai, que também usará da palavra.

"Como ensaísta, crítico e professor universitário, a obra de Manuel Gusmão associa o rigor académico à sensibilidade de poeta", destacando-se os ensaios que "redigiu sobre duas figuras maiores da poesia portuguesa, Fernando Pessoa (ortónimo e heterónimos) e Carlos de Oliveira, contribuindo ativamente para o debate público sobre a renovação do ensino da Literatura", realçou o Ministério da Cultura.

Doutorado em Literatura Francesa, com uma tese sobre a poesia e a poética de Francis Ponge, em 1987, Manuel Gusmão estreou-se como poeta em 1990, com a publicação de "Dois Sóis, A Rosa - À Arquitetura do Mundo".

O autor fundou as revistas Ariane, que se publica desde 1982, e Dedalus, da Associação Portuguesa de Literatura Comparada (APLC), em 1991. Atualmente é coordenador editorial da revista Vértice.

Manuel Gusmão, nascido em Évora há 73 anos, é membro da Associação Internacional de Literatura Comparada e do Centro de Estudos Comparados, e colabora com o Centro de Estudos de Teatro da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, tendo fundado a APLC e o Grupo Universitário de Estudos de Literatura Francesa.

O distinguido publicou ensaios ou prefaciou obras de Fernando Pessoa, Gastão Cruz, Carlos de Oliveira, Herberto Helder, Sophia de Mello Breyner Andresen, Luiza Neto Jorge, Ruy Belo, Armando Silva Carvalho, Fernando Assis Pacheco, Almeida Faria, Maria Velho da Costa, Nuno Bragança, Maria Gabriela Llansol, Luís de Sousa Costa e José Saramago.

Na área da tradução, Gusmão verteu para português poemas de Calderón de La Barca, Olivier Cadiot, Christian Prigent e Francis Ponge.

Ao longo da sua carreira recebeu o Prémio do P.E.N. Clube Português para Melhor Obra de Poesia, em 1997,com "Mapas, o Assombro e Sombra", o Grande Prémio de Poesia da Associação Portuguesa de Escritores e o Prémio de Poesia Luís Miguel Nava relativos a 2001, com "Teatros do Tempo", entre muitos outros.

Em 2011, recebeu o Grande Prémio de Ensaio Eduardo Prado Coelho, por "Tatuagem e Palimpsesto: da Poesia em Alguns Poetas e Poemas", e em 2014 o Prémio de Poesia António Gedeão, pelo "Pequeno Tratado das Figuras".

No ano passado Manuel Gusmão publicou os títulos "A Foz em Delta" e "Neo-Realismo uma Poética do Testemunho, alguns exercícios de releitura".

Gusmão assina o libreto da ópera "Os Dias Levantados", de António Pinho Vargas, estreada em 1998, no Teatro Nacional de São Carlos, em Lisboa.

A nota ministerial lembra ainda que, "politicamente ativo desde os tempos de estudante universitário", Manuel Gusmão foi membro do Comité Central do PCP, entre 1979 e 2016, tendo sido eleito, em 1975, deputado à Assembleia Constituinte no círculo eleitoral de Évora, sua cidade natal.

Fonte: Notícias ao Minuto



NOTÍCIAS RELACIONADAS
26/06/2019
Feira do Livro de Braga 2019 tem como "tema central" a biografia
26/06/2019
Museu do Côa escolhido para acolher a Rede Nacional de Arte Pré-Histórica
24/06/2019
'Toy Story 4' leva quase 2 milhões de brasileiros aos cinemas em fim de semana de estreia
24/06/2019
Sessa e a complexa simplicidade de a Grandeza
24/06/2019
Série sobre Portugal alcança 14 milhões de assinantes no Brasil
24/06/2019
Museu Berardo faz 12 anos com nove milhões de visitantes e 103 exposições